A SINFONIA DA FLORESTA CRESCENDO

  

Nós escutamos o barulhoso carvalho que cai,

 mas não escutamos o barulho da floresta que cresce.

Hoje fala-se muito das coisas que estão desmoronando, que fazem barulho,

mas o mais importante é aquilo que não se ouve;

 é preciso prestar atenção às sementes que estão brotando.

Jean Yves Leloup

 

Diz o Profeta Isaías (43, 18): Não vos lembreis mais dos acontecimentos de outrora, não recordeis mais as coisas antigas, porque eis que vou fazer uma obra nova, a qual já está surgindo: não a vedes? Vou abrir um caminho no deserto e fazer correr riachos pela estepe. E o Livro do Apocalipse (21.1) fala assim: Eu vi um novo céu é uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra desapareceram e o mar já não existia.

Enquanto as velhas estruturas caem de podres e outras são derrubadas com barulho... tem algo novo crescendo e a gente muitas vezes não vê. Há uma nova consciência germinando, serena e silenciosamente, sem plateia e sem espaço nos meios de comunicação... talvez por que não dá lucro... mas traz vida e vida em abundância. 

O futuro já chegou, só que está mal distribuído!

Há uma voz que não usa palavras. Escute-a - dizia Rumi. É a voz do novo, a voz da nova consciência, dos valores que vêm de dentro porque nascem sem ser impostos, a voz dos que foram calados e se libertam, a voz dos que foram negados e se organizam, a voz que ficou sufocada nas gargantas reprimidas, a voz que ficou esquecida no meio do barulho... a voz de muitas vozes, porque o tempo acordou a voz que dormia e agora o único cartaz de proibido parece ser: é proibido calar catarses.

 

1. A busca pelo Autoconhecimento

Advirto-te, quem quer que sejas, oh tu, que desejas sondar os mistérios da natureza: Como esperas encontrar outras excelências, se ignoras as de tua própria casa? Em ti, está oculto o tesouro dos tesouros. Oh Homem! Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o Universo e os Deuses. Esta Advertência na entrada do Oráculo de Delfos... demorou, mas chegou ao coração das pessoas, de muitas pessoas, e não apenas de alguns poucos iluminados e místicos ou de grupos esotéricos ou alguns privilegiados.

A perdição do homem é esquecer e entre todos os esquecimentos o mais terrível é esquecer quem se é, diz Merlin para Arthur. Mas parece que não dá mais para esquecer e as pessoas querem lembrar. Recordar de si mesmas e da sua missão, do sentido da vida, pois sem isso não dá mais para viver. Sempre alguém buscou o autoconhecimento ao longo da história, quando as pessoas olharam para o céu de estrelas e se perguntaram Quem somos? De onde viemos? Para onde vamos? O novo de hoje é que essa busca arrasta cada vez mais gente e as pessoas o fazem a partir do mais profundo de si mesmas, por terem experimentado a angústia do vazio do sem sentido. A busca pelo autoconhecimento é uma das grandes linguagens do nosso tempo e arrasta multidões guiadas pela sede de sentido, sem distinção de nível social ou acadêmico, sem distinção de credo ou idade. É talvez a música que mais atrai ouvidos inquietos e corações em busca do silêncio onde respostas profundas podem saciar. Cada vez mais, em todos os cantos, mais pessoas buscam caminhos de autoconhecimento, em diferentes processos. Nosso Instituto Eneagrama Shalom, apenas no ano de 2017 e apenas no Brasil, atingiu mais de seis mil e quinhentas pessoas com os cursos e encontros de Eneagrama. E isso é apenas uma gota pequena no oceano dos tantos que buscam caminhos para olhar para dentro.

Há que se fazer algo do que foi feito de nós. Há que se tornar responsável por aquilo que nos determina. Há que se aceitar como a nós mesmos esse Outro que nos visita - dizia Freud. E quem ousa encarar essa empreitada, troca grilos por borboletas e vagalumes e descobre horizontes de Vida mais plena. As pessoas, aos milhares, se põem a caminho... e descobrem que a vida as encontra.

Todos nascemos originais e morremos cópias - falava Jung. Mas tem muita gente querendo resgatar os originais, a natureza da sua natureza.

 

2. O fascínio pela Experiência de Deus

Dizia Tomás de Aquino que quanto mais eu vou ao encontro de mim mesmo, mais eu descubro dentro de mim um Outro que não sou eu e que, no entanto, é o fundamento do meu existir.  E Santa Catarina de Sena falou que o caminho para atingir o conhecimento de Deus é este: nunca abandonar o autoconhecimento. Na verdade, quando a pessoa entra neste caminho que leva para dentro de si mesma, ela há de descobrir-se, mais cedo ou mais tarde, com sede de Deus. Maria Clara Bingmer dizia que a sede de Deus é uma das grandes sedes do nosso tempo.

Sempre o Ser Humano buscou Deus, de muitas formas e por diversos caminhos, pois muitos são os caminhos que levam a Deus, porque muitas são as sedes e muitas são as trilhas que os seres humanos percorrem em busca da mesma fonte. Mas hoje, essa busca parte de dentro, não é imposta pelas religiões nem pelos sistemas sociais. Religião é para aqueles que têm medo de ir para o Inferno e Espiritualidade é para aqueles que já estiveram lá - dizia aquela frase de parachoque de caminhão. A Espiritualidade surge hoje como busca sincera daqueles que já desceram nos porões de seus abismos interiores. É a busca de um Deus que dê sentido à vida e não apenas que garanta a vida após a morte, porque a grande questão não é se existe vida após a morte,  mas que tipo de vida nós vivemos antes de morrer. As pessoas buscam Deus e buscam, cada vez mais, fora das religiões, porque as religiões teimam em gostar mais de dogmas do que de pessoas. É o amor que puxa... não é a dor que empurra - embora a dor leve hoje muitas pessoas a buscarem Deus. Mas o Amor fascina. O Amor transforma. Hoje, até as ciências falam de Deus, mesmo que seja por puro instinto de sobrevivência.

Mais importante que as coisas que fazemos, são os motivos pelos quais fazemos as coisas - assim fala Dale Carnegie e assim as pessoas sentem e por isso buscam sentido para as suas vidas e se, como dizia Dostoievsky, dentro de cada pessoa existe um vazio do tamanho de Deus, só Deus pode preencher esse vazio... porque migalhas não preenchem vazios infinitos.

Lembrava o Abade Alônio: Se o homem não disser no seu coração: Deus e eu estamos sós no mundo, jamais terá repouso. O nosso tempo com suas luzes e sombras, está nos ensinando isso, às vezes a duras penas. Mas, mais vale tarde do que nunca!

Tenho medo do homem cujo Deus está no Céu...  porque acredito no Deus que está presente na vida, encarnado na realidade e habitando o coração de cada pessoa, porque esse Deus pode libertar e  transformar, em vez de alienar e descomprometer, como aquele que está bem longe lá no Céu.

 

3. A Mística Ecológica

O Espírito dorme na pedra, acorda nas flores, movimenta-se nos animais e torna-se consciente no ser humano - dizia o monge antigo. E esse novo olhar para a natureza, é outro dos grandes caminhos do nosso tempo, redescoberto por tantas pessoas, cada vez mais.

O cuidado com a casa comum não é apenas uma questão de sobrevivência, por motivação egoísta de quem destruiu para viver e agora preserva para não morrer... mas é fruto da consciência de muitas pessoas que se descobrem parte do universo, na visão de uma ecologia integral. A consciência de que somos todos um, não apenas os humanos, mas os Humanos, a Natureza e Deus.

Dizia Jung: De uma forma ou de outra, somos partes de uma só mente que tudo engloba, um único "grande Homem" ou, talvez um único grande Todo, onde a comunhão entre Deus-Natureza-Seres Humanos, é a verdade e a condição da vida.

Cresce cada vez mais a busca pelo contato pela natureza, numa atitude de respeito e de fruição saudável e sustentável. Muitas pessoas fazem hoje o caminho de volta, deixando a cidade grande e reencontrando seus paraísos em pequenos recantos onde cuidam da natureza e com ela experimentam um contato harmonioso. O estilo de vida sóbrio e simples, artesanal e natural... encanta e apaixona cada vez mais pessoas, que assim encontram formas de vida mais autêntica.

Experiências sinceras de sustentabilidade, opção pela alimentação natural e pelos produtos orgânicos, a resistência aos agrotóxicos e aos transgênicos, o resgate das terapias naturais e dos remédios que os ancestrais sempre encontraram de forma abundante e generosa na natureza... tudo isso nos fala de algo antigo e sempre novo, que foi esquecido e começa a ser re-cor-dado: dado de novo ao coração.

Todos os seres humanos são como contas de um colar e por entre eles passa o fio do divino - dizia a Sabedoria Hermética e hoje podemos dizer que a nova consciência intui que também todas as outras Criaturas são perpassadas e a nós unidas pelo Sopro Divino que tudo criou e sustenta. Descobrimos com Roberto Crema que o ser humano é habitado por todos os reinos e concilia todas as dimensões e planos do Universo. Há rios e oceanos que nos atravessam, há pedras e montanhas na nossa dimensão de argila, bem como florestas, o reino vegetativo de nosso interior, habitado por animais de nossa dimensão instintiva e libidinal.

 

E nessa trilha, redescobrimos o valor do Corpo, tantas vezes renegado, esquecido ou até desprezado e maltratado, vítima das distorções que fizeram as culturas e até as religiões esquecer que ele é sagrado e Templo Divino. Crescimento psicológico sem consciência do corpo é como uma árvore sem raiz, como diz Mindell.

A mística do cuidado cresce, alimenta, sustenta... porque tudo o que vive merece viver e tudo o que move é sagrado.

 

4. A Consciência de Condomínio

Globalizou-se também a solidariedade e o mundo já é também uma aldeia ou um grande condomínio onde pessoas pequenas, fazendo pequenas coisas, lugares pequenos... partilham o novo, acendem a esperança e mobilizam mudanças. Movimentos Sociais, Direitos Humanos, parcerias e redes, cooperação, intercâmbio, respeito pelas diferenças e diversidades, inclusão, solidariedade, justiça e dignidade, paz... são hoje verdade no coração de muitas pessoas e fazem a diferença na vida de tantos.

Amar e mudar as coisas me interessa mais - já dizia Belchior. Muitos corações se libertaram e se expressam sem medo de serem felizes.

Em tempos de obesidade intelectual onde cada um é especialista na própria opinião... e em tempos de anorexia afetiva, cultivam-se sementes de gentileza e de ternura, do bem e da paz, nos pequenos gestos, porque a vida também é feita à mão. Enfim, muitas pessoas experimentam o que Freud dizia: Em última análise precisamos amar para não adoecer e fazemos valer a crença de Jung: Até onde conseguimos discernir, o único propósito da existência humana é acender uma luz na escuridão da mera existência humana.

Libertos da rigidez, de tantas formas de rigidez - porque a rigidez é boa na pedra, mas não no ser humano, como dizia Gurdjieff... muitos aprendem finalmente a andar retos por um caminho cheio de curvas, isto é, descobrem a flexibilidade, a criatividade de andar pela vida como a água flui por entre as pedras.

E neste grande condomínio que o mundo está se tornando, acontece o encontro fantástico do Oriente e do Ocidente, como as duas faces da mesma verdade, por tanto tempo de costas viradas.

E para além dos dualismos e polarizações simplistas, relembramos o que Rumi dizia: para além do certo e do errado, existe um campo sagrado.

 

5. O Trigo e o Joio

Fazem barulho as grandes árvores da Floresta Amazónica que tombam serradas pela ganância, como fazem barulho as vidas que morrem de fome ou aquelas que se arrastam na miséria que é fabricada em série pela indústria da morte que ainda vigora. Fazem barulho os escândalos de corrupção e desgoverno, os jogos de poder e os golpes sórdidos para perpetuar a cultura de casa grande e senzala, assim como fazem barulho e assustam os retrocessos religiosos e os movimentos conservadores que não conservam nem a vida, nem a liberdade e nem a alegria de viver. Fazem barulho os meios de comunicação, as mentiras e manipulações, a alienação programada e bem paga e a mercantilização de tudo.

Tem muita coisa fazendo muito barulho... porque todo esse barulho dá muito dinheiro... para alguns poucos.

Mas tem floresta crescendo silenciosamente, sem palco e sem plateia, sem holofotes e sem aplauso: A Floresta da Consciência.

E, se é verdade o preceito da antiga Sabedoria Hermética que diz: O conhecimento na mão de um homem imaturo é como uma faca na mão de uma criança... e se às vezes até sentimos que em algum momento o conhecimento  tem que ser preservado para que a ambição humana não o profane... ou, como dizia Platão:  é melhor a ignorância absoluta do que o conhecimento em mãos inadequadas... é verdade também que vivemos o tempo maravilhoso em que conhecimentos novos e antigos se encontram e se propagam, a serviço da vida e de mais vidas.

A ignorância é a prisão de Deus. O conhecimento é o palácio de Deus - dizia Rumi. E hoje resgatamos um novo saber, o saber de sabor, os sabores do saber que vêm da vida e por isso geram vida e libertam daqueles saberes racionais e frios que oprimem o coração.

Cuidemos do trigo... sem cair na tentação de arrancar o joio. Cuidemos do trigo e alegremo-nos com a colheita, com as pequenas colheitas, quando separamos o trigo do joio.

 

Um olhar de Esperança

 

Confiar que algo bom pode acontecer e vai acontecer, porque Deus encaminha tudo para o bem e faz o bem acontecer, a partir da bondade que semeou no coração de cada Ser Humano - isso chama-se Esperança.

Esperança que não é de esperar... mas de já ver acontecer.

Quem tem olhos para ver, veja!

E ajude a ver...

Neste tempo em que tanta gente e tantos interesses querem convencer-nos da maldade do ser humano, precisamos olhar, com os olhos do coração, o que tem no coração de cada pessoa.

Durante um voo entre Campinas e Recife, um gesto me encantou: No banco atrás de mim, um menino de cerca de dois anos chorava aos berros antes ainda do avião decolar.  E de repente eu vejo um outro menino, de três anos talvez, levantar-se da cadeira na minha frente e levar um brinquedo para o menino chorão e dizer: toma pa tu bincar... eu te empesto. E o menino passou a viagem sem chorar. No final da viagem... dei um abraço no menino que emprestou o brinquedo e disse que o gesto dele foi muito lindo... para o menino chorão.... e talvez mais para mim, que preciso estar de olhos abertos para acreditar na vida, na bondade e na amorosidade, como a palmeira confia no vento e o menino confia  no outro menino – como diz o poeta Tiago Homem de Mello.

Tantas iniciativas, tantas pessoas de boa vontade e tantos gestos de gente boa, tanta vida germinando e suscitando mais vida... mostram que vale a pena acreditar.

E em tempos onde alguns querem que cada um ande armado, é melhor andar animado.

Tem muita coisa boa surgindo, crescendo e aparecendo. Tem Papa Francisco, que gosta mais de gente do que de regras. Tem Meditação e tem Eneagama. Tem Terapias Naturais. Tem Reike e tem Coaching e tem Neurolinguistica e Constelações Familiares. Tem Danças Circulares e Rodas de Conversa. Tem Organizações Não Governamentais. Tem voluntariado e grupos de Direitos Humanos e Movimentos Sociais e gritos de Libertação. Tem Comunidades Terapêuticas. Tem empresas que cuidam de pessoas e investem no desenvolvimento delas. Tem magistrados querendo ser humanos e tem muitos humanos querendo ser pessoas boas... e tem Evangelho, como tem Amor no cerne de todas as religiões.

E mesmo que às vezes ou até muitas vezes, tudo isso seja ou possa ser mercantilizado e distorcido, tem algo novo é impagável que nada apaga e pertence, porque é do bem. E a gente vai se acostumando também com o bem... e o coração acaba se viciando no amor... e, como dizia o antigo ditado Celta, os seus pés vão levá-lo onde está o seu coração.

Aqueles que vão se acostumando a viver assim, não irão mais se acostumando a viver sem isso. E isso contagia. Acredite!

Se dá para imaginar, dá para realizar. Se já dá para ver... dá para acreditar!

Quando o sol nasce, projeta sombras enormes, distorcendo objetos, que viram monstros. Mas à medida que o sol vai crescendo, as sombras diminuem e todas as coisas voltam às proporções reais.

O sol está nascendo!

 

Domingos Cunha

Domingos Cunha

COMPARTILHAMENTO

RECEBA NOVIDADE EM SEU E-MAIL

,